Terms & Conditions

We have Recently updated our Terms and Conditions. Please read and accept the terms and conditions in order to access the site

Current Version: 1

Privacy Policy

We have Recently updated our Privacy Policy. Please read and accept the Privacy Policy in order to access the site

Current Version: 1

Ciência & Espaço

Chile instalará a maior câmera de astronomia do mundo à beira do deserto do Atacama

0:00

Com uma resolução acima de 3,2 gigapixels, um peso de quase três toneladas e a ambiciosa tarefa de realizar uma exploração sem precedentes de uma década, a maior câmera digital já construída para astronomia óptica está pronta para ser instalada sob o céu limpo do norte do Chile.

As peças necessárias para montar o Observatório Vera C. Rubin – que inclui um telescópio terrestre e a câmera – viajaram em vários veículos até o cume do Cerro Pachón, na região de Coquimbo, à beira do deserto do Atacama, cerca de 565 quilômetros ao norte de Santiago.

Tudo o que precisávamos para as operações [está] agora no cume e pronto para checkout e, esperançosamente, para instalação um pouco mais tarde este ano“, disse Stuartt Corder, diretor científico da associação de universidades AURA e vice-diretor do centro NOIRLab, que operará o observatório.

De acordo com seu site, o Observatório Rubin é um sistema complexo e integrado que consiste em um telescópio terrestre de campo largo de oito metros de largura, a câmera e um sistema automatizado de processamento de dados.

Ele gerará aproximadamente 20 terabytes de dados por noite e sua exploração de dez anos produzirá um banco de dados de catálogo de 15 petabytes.

O objetivo da exploração será entender a natureza da energia escura e da matéria escura no universo – da qual apenas uma pequena parte é conhecida -, além de estudar a possibilidade de a Terra colidir com asteroides, ou estrelas e planetas próximos ao Sol.

Esse é um momento realmente inspirador onde você pode dizer – estamos começando. Estamos aqui no precipício, nos preparando para iniciar uma campanha que, em dez anos, esperamos que responda às perguntas de… quando o universo foi feito e começou a entrar em movimento… e como continuará a evoluir no futuro?”

O resultado pode não se afastar do que já sabemos, mas ajudará a refinar nossa compreensão do universo, disse Corder.

A AURA é um consórcio de 47 instituições dos EUA e três afiliadas internacionais que operam observatórios astronômicos para a National Science Foundation e a NASA. É responsável pela gestão, entre outros, do centro NOIRLab.

O Chile abriga grande parte do investimento mundial em astronomia graças ao céu limpo de seu deserto do Atacama, o deserto mais seco do planeta.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo