Terms & Conditions

We have Recently updated our Terms and Conditions. Please read and accept the terms and conditions in order to access the site

Current Version: 1

Privacy Policy

We have Recently updated our Privacy Policy. Please read and accept the Privacy Policy in order to access the site

Current Version: 1

Agronegócio

Cresce o número de empresas em busca da certificação Funcionalidade para Adjuvantes Agrícolas

Selo oficial expedido por programa coordenado pelo Centro de Engenharia e Automação, do Instituto Agronômico (IAC), foi introduzido no final de 2021

Anunciado no final do ano passado, o Selo Oficial de Funcionalidade para Adjuvantes Agrícolas do Instituto Agronômico (IAC) recebeu adesão de mais 14 fabricantes, além de seis companhias que já o obtiveram no final de 2021: Agrocete, Apex Agro, Equilex Chemicals, Momentive Performance Materials, Thera Química e Vittia. A direção do programa “Adjuvantes da Pulverização”, responsável pela concessão do selo, celebra o rápido avanço do número de empresas interessadas na certificação.

De acordo com o coordenador do programa, o pesquisador Hamilton Ramos, o selo assegura a funcionalidade de adjuvantes agrícolas e é conferido somente a empresas que tenham produtos aprovados em avaliações executadas por especialistas do Centro de Engenharia e Automação (CEA), do IAC. O órgão, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de SP, fica na cidade de Jundiaí.

Ramos explica também que adjuvantes agrícolas são produtos acrescidos à calda de agroquímicos, antes da aplicação destes últimos nas lavouras, para melhorar a eficácia de tratamentos e reduzir perdas nas pulverizações.

“Ao contrário dos defensivos agrícolas ou agroquímicos, adjuvantes não necessitam de registro oficial no Brasil. Essa brecha regulatória representa riscos quanto à qualidade de adjuvantes vendidos ao agricultor”, complementa Ramos. “Um adjuvante de má-qualidade, associado a um defensivo agrícola com tecnologia de ponta, ocasiona perdas relacionadas a investimentos do agricultor para controlar pragas, doenças e plantas daninhas.”

Ramos destaca ainda que da entrada do pedido no Selo de Funcionalidade pelas companhias, até a conclusão de laudos, seguem-se pelo menos seis meses de estudos.  “A meta principal do programa ‘Adjuvantes da Pulverização’ é desenvolver normas que respaldem um sistema oficial de certificação único para esses produtos”, salienta o pesquisador. “O Selo de Funcionalidade constitui uma parte relevante desse processo”, finaliza.

Criado há 16 anos, o programa “Adjuvantes da Pulverização” é financiado com recursos privados e une companhias do setor agrícola ao CEA-IAC. 

Assessoria de Comunicação IAC

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo