Terms & Conditions

We have Recently updated our Terms and Conditions. Please read and accept the terms and conditions in order to access the site

Current Version: 1

Privacy Policy

We have Recently updated our Privacy Policy. Please read and accept the Privacy Policy in order to access the site

Current Version: 1

Mundo

Prefeita de Paris anuncia candidatura à Presidência da França

Franco-espanhola Anne Hidalgo, do Partido Socialista, tenta romper polarização entre Macron e Le Pen. Ela se destacou na prefeitura por limitar circulação de automóveis na cidade.

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, anunciou, neste domingo (12/09) que pretende se candidatar à presidência da França. A candidatura da social-democrata é encarada como uma tentativa de quebrar uma provável polarização no pleito de 2022 entre o centrista Emmanuel Macron e a ultradireitista Marine Le Pen.

“Humildemente (…) decidi ser candidata à presidência da República Francesa”, disse a socialista, na cidade de Rouen (noroeste da França). Em seu discurso, ela lembrou de suas origens – seus pais são imigrantes espanhóis – e ela nasceu na cidade espanhola de San Fernando e se mudou para França quando tinha dois anos.

 “Estou aqui para vos falar de França. Eu, uma mulher francesa nascida em Espanha, cheguei ao nosso país aos dois anos de idade e cresci em Lyon, num bairro da classe trabalhadora”, disse Hidalgo.

Durante seu discurso de 20 minutos, Hidalgo, de 62 anos, também atacou a Presidência de Macron, que, em sua opinião, “dividiu como nunca antes” os franceses, “agravou” problemas sociais e “deu as costas à ecologia”.

Apesar de ter sido eleita para um segundo mandato em Paris, em meados de 2020, garantindo que não se candidataria à Presidência, ela já havia dito na terça-feira em Montpellier (sul) que “nada” a impedia de concorrer.

Sua candidatura soma-se assim à longa lista de candidatos presidenciais de esquerda, ao lado do ultraesquerdista Jean-Luc Mélenchon (do movimento França Insubmissa), o ecologista Yannick Jadot, o comunista Fabien Roussel e o ex-socialista Arnaud Montebourg, entre outros.

Mas a sete meses da votação, pesquisas indicam que nenhum deles têm, por enquanto, chances de chegar ao segundo turno. Levantamentos mais recentes indicam apenas que Macron e Marine Le Pen seguem garantindo a passagem para a segunda rodada das eleições, com o atual presidente aparecendo como o favorito para vencer o pleito. Por enquanto, Hidalgo aparece com entre 7% e 9% das intenções de voto nas pesquisas, tendo pela frente o desafio de conquistar eleitores em outras regiões da França. Analistas apontaram que o lançamento da candidatura em Rouen é parte do objetivo de romper a imagem limitada de política parisiense.

“Hidalgo sai de Paris”, era a manchete hoje do jornal Le Journal du Dimanche, sublinhando que “tudo está planejado para adaptar sua imagem às províncias”, como o fato de se rodear de uma equipe de campanha composta por prefeitos de outras partes do país.

Hidalgo ainda terá que superar as dificuldades enfrentadas pela sua legenda, o tradicional Partido Socialista, que encolheu consideravelmente nas eleições presidenciais de 2017. À época, o candidato da sigla, Benoît Hamon, recebeu apenas 6,36% dos votos, mesmo com o PS ocupando a Presidência da França com François Hollande. A legenda também penou nas eleições legislativas, encolhendo de 280 para 30 cadeiras na Assembleia Nacional.

Com um programa baseado na justiça social e na ecologia, a socialista Hidalgo espera repetir o feito do conservador Jacques Chirac, que em 1995 conseguiu conquistou a Presidência após chefiar a Prefeitura de Paris.

Fonte: DW

Mostrar mais

Cassio Felipe Tartas Rogalski

Sou formado em Letras e Jornalismo com especialização em Relações Internacionais e Diplomacia. Professor, jornalista, autor, colunista e analista de Relações Internacionais. Sou apaixonado por línguas, filosofia, escrita, livros em geral, música, viagens e café.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo